A difusão da moeda deu-se do Oriente para o Ocidente, por isto, necessariamente, ainda que com certo atraso, as cidades da Magna Grécia e de Sicília tiveram que organizar suas próprias emissões ao longo do século V a.C.

No sul da península, as primeiras cidades a cunhar moedas foram Cumas, com a figura da concha, e Terina. Depois, na segunda metade do século V a.C., Nápoles – que significa cidade nova –  produziu peças apresentando no anverso a cabeça da sereia Parténope e no reverso, a figura de touro androcéfalo barbydi, referência evidente aos deus fluvial Aqueloo que o engendrara.

Nasceram depois as casas de cunhagem de Heráclea e de Turi, que emitiram moedas representando um touro em movimento de ataque, enquanto em Tarento se inicia a famosa série do cavaleiro sobre um golfinho.

Em Reggio, surgiram as moedas com as figuras de uma biga puxada por mulas e de uma lebre correndo. A escolha destas duas iconografias tão curiosas e singulares retratam episódios relacionados com a vida da cidade: A primeira celebra a vitória de Anáxilas, líder tirano entre os anos 494 e 476 a.c., obtida na corrida de bigas puxadas por mulas celebrada em Olímpia; a segunda lembra a introdução da lebre na Calábria, fato que terá tido, provavelmente, grande importância naquela época.

Na Sicília, existiu a casa de cunhagem de Zancle-Messana  – nome antigo de Messina –  que produziu didracmas com símbolo de leão frontal e da proa de navio durante a ocupação dos sâmios; depois, produziu moedas com os mesmos símbolos das de Reggio, após ter sido conquistada por Anaxilas.

Cunhagem Incusa – Magna Grécia, cunha entre VI e V a.C


André Luiz Padilha

Graduado em direito com especialidade em meios alternativos de soluções de conflito e atualmente é estudante de História. Colecionador de moedas desde 1997 e numismata desde 2011. É um ativo divulgador da numismática nacional publicando diversos artigos e estudos por dezenas de plataformas, presta serviços como avaliador e consultor em pelo menos 9 países, também é o fundador da Numismática Castro, do CNERJ e do canal Café e Numismática. É sócio da American Numismatic Association (ANA)

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.