Um tesouro de uma única moeda de ouro

Na época do Império Romano, as moedas eram abundantes. Haviam denários, ases, sestércios e outras peças fracionárias menores (semis, quadrans, sextans…) que, como um centavo de euro, serviam para completar as transações da vida cotidiana. Com uma economia baseada principalmente no comércio, Roma tinha um sistema fiduciário altamente desenvolvido.

As moedas foram cunhadas em todos os cantos do Império. Ao contrário da atual centralização da emissão monetária na maioria dos países, Roma permitiu que suas cidades tivessem casas da moeda para uso local. A enorme e necessária produção de dinheiro fez com que boa parte dessas moedas sobrevivessem até hoje. Peças autênticas são fáceis de encontrar em qualquer antiquário.

Mas existem exceções. Algumas dessas moedas, pela sua raridade, gravura, contexto histórico ou conservação excepcional, são muito difíceis de encontrar e não estão à disposição de todos. Em casas de leilões, eles são vendidos por dezenas de milhares de euros, ainda mais. E um deles, que quase com certeza foi fincado na casa da moeda da Colonia Patricia (isto é, Córdoba), foi adquirido no ano passado pelo Ministério da Cultura para aumentar os fundos do Museu Nacional de Arqueologia.



É um belo e raro Aureus da época de Augusto (27 AC-14 DC) com mais de 2.000 anos. Os aureus, que como o nome sugere (símbolo químico do ouro é AU), eram feitos de ouro, eram a moeda mais valiosa que Roma emitia e eram quase tão raros quanto hoje. Para um cidadão romano, fosse ele um patrício ou um plebeu, ver uma daquelas moedas era tão difícil como para nós ter uma nota de 500 euros nas mãos.

O Aureus da “patricia mint” tem 7,85 gramas de ouro de primeira qualidade, possivelmente 24 quilates. Tinha um valor intrínseco, ou seja, igual ao seu peso em ouro. No início do Império, os governantes romanos ainda não haviam aprendido a desvalorizar a moeda misturando-a com metais comuns ou reduzindo seu peso, más práticas – ainda em vigor, embora mais sofisticadas – que posteriormente causaram graves problemas de inflação.

Além de seu valor, uma única moeda como essa diz muitas coisas. No anverso aparece o retrato e o nome de Octavio Augusto, uma forma de propaganda que, quando não havia meios de comunicação de massa, o primeiro imperador usava abundantemente, lembra Otero.

No verso está a legenda MAR – VLT , que se refere ao Templo do Marte Vingador (“Mars Ultor” em latim), também gravada naquela face. O santuário, do qual ainda existem vestígios no Fórum de Augusto em Roma, tinha um significado principalmente político, pois foi construído em comemoração à vitória sobre Bruto e Cássio, os assassinos de Júlio César alguns anos antes. Mais tarde, o filho adotivo do vencedor da Batalha de Munda fez do templo de Marte um “tema central de seu programa de propaganda estatal”, nas palavras de Paloma Otero.

Também estão expostas insígnias militares e uma águia, emblemas que, esclarece o conservador, “aludem às legiões vitoriosas, mas ao mesmo tempo à recuperação da insígnia militar perdida décadas antes na guerra contra os partas, e que foram devolvidos pelo rei da Pártia ‘graças à mediação do imperador. Augusto obteve a vitória militar, política e diplomática em um círculo de metal precioso com apenas dois centímetros de diâmetro. Um mestre da propaganda.

 

Resgate de moedas

A peça fazia parte de uma coleção particular cujo dono pediu para levá-la para fora do país para venda, segundo disse à ABC Paloma Otero, curadora-chefe do Departamento de Numismática e Medalha do Museu Nacional de Arqueologia. O Ministério estudou o pedido e negou autorização para apenas duas das moedas, a de ouro de Augusto de Córdoba e outra de Vespasiano (69-96 dC) cunhada em Tarraco (Tarragona). De todo o conjunto, eram as únicas peças que deveriam ter sido produzidas na Hispânia.

A transação de aquisição das moedas foi fechada por meio do que se conhece como “oferta irrevogável de venda” . O proprietário de determinado bem patrimonial, ao solicitar a licença de exportação, realiza uma avaliação prévia que serve de preço final para o Ministério. Nesse caso, não eram baratos, justamente: 102 mil euros (R$672.913,00) para as duas moedas . “Não estamos tão interessados ​​neste preço, apenas se for justo e aceitável; o que conta é o valor histórico”, explica a curadora.

E as moedas compradas têm, é claro. Eles servem para demonstrar a importância de Córdoba e Tarragona no Império. As moedas que Roma permitia cunhar fora da metrópole eram feitas de metais baratos, como o bronze. O ouro era reservado para a capital do Império e servia para pagar grandes despesas, o comércio internacional ou as onerosas despesas do Pontifex Maximus.

No início da era Augusto, porém, houve uma reorganização do sistema fiduciário romano que concedeu a algumas cidades, muito poucas, o direito de cunhar moeda imperial , segundo Otero. O especialista esclarece que “outras cidades além de Roma funcionavam como casa da moeda imperial, mas controladas pelo poder do imperador, não pela cidade. Existem dois grupos atribuídos à Hispânia desde o início do século XX”, como Colonia Patricia Corduba e Caesaraugusta (Saragoça), e mais tarde também Emerita Augusta (Mérida).



A casa da moeda corduba

Uma vez que os aureos eram válidos em todo o Império e eram usados ​​para realizar transações comerciais além de suas fronteiras, eles geralmente não oferecem o lugar de cunhagem em suas inscrições. Nessas condições, não se pode assegurar com total certeza que a moeda adquirida pelo Estado provenha de Córdoba, mas o conservador considera “muito provável. Ao longo dessas décadas [desde que surgiu a tese da cunhagem da moeda imperial na Hispânia] não há argumentos para negá-la, mas não há nenhum argumento forte” para confirmá-la.

A casa da moeda imperial da Colônia Patrícia não durou muito, apenas alguns anos no início do reinado de Augusto, daí a singularidade do ouro adquirido pelo Estado. A cidade continuou a emitir moeda local até a época do próximo imperador, Tibério (14-37 DC), mas não usava mais ouro.

 

Destino, o Museu Nacional de Arqueologia

O destino final da Idade de Ouro de Augusto, após dois milênios de passagem de mão em mão, será o Museu Nacional de Arqueologia, embora ainda não seja visível. As salas de numismática da coleção estadual estão fechadas ao público no momento devido à pandemia.

Ainda mais tarde, quando a crise de saúde não passar de uma memória, a moeda que provavelmente saiu de uma oficina de Córdoba terá de competir para encontrar lugar entre as 300 mil peças que abrigam o maior acervo de numismática do país e um dos maiores na Europa. “É impossível expor tudo o que temos. Não o fazemos pela peça em si, mas dentro de um contexto histórico. É preciso encontrar um lugar para ela dentro do roteiro do Museu”, conclui Paloma Otero, a curadora que já tem nas mãos, em sentido figurado, esta pequena joia cunhada na rica história de Córdoba.

Texto originalmente publicado sob o título “Córdoba romana | Un tesoro de una sola moneda de oro”, por Rafael Verdú no Portal ABCcórdoba | Não foram feitas alterações no texto original, salvo as palavras trocadas para melhor se adequar ao nosso idioma que não são suficientes para alterar o sentido do texto | Os valores de câmbio foram retirados com base no dólar a R$6,60, taxa do dia 28.01.2021.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.