Lucius Aelius César (13 de janeiro de 101 – 1 de janeiro de 138) foi o pai do imperador Lucius Verus. No último ano de sua vida, Aelius foi adotado por Adriano e nomeado herdeiro do Império Romano. No entanto, Aelius morreu antes de assumir o governo, o que certamente contribuiu para a escassez de suas moedas. Vejamos um pouco mais sobre a vida de de Aelius e a sua relação com aqueles que foram efetivamente os sucessores de Adriano.

Tetradracma de Aeleis, cunhado em Alexandria (137-138 d.C)
Clique na peça para compra-la

Aelius nasceu com o nome Lucius Ceionius Commodus, tornou-se Lucius Aelius César após sua adoção como herdeiro de Adriano. Muitas vezes, ele é chamado de Lucius Aelius Verus, embora essa denominação seja provavelmente um erro documental. O jovem Lucius Ceionius Commodus era da gens Ceionia. Seu pai, também chamado Lucius Ceionius Commodus, foi cônsul em 106, e seu avô paterno, também do mesmo nome, foi cônsul em 78. Seus antepassados paternos eram da Etruria e eram de posse consular. Sua mãe foi a romana Fundania Plautia. Seu avô materno e seus antepassados maternos eram de tradição consular.

Anteriormente a 130, Lucius Commodus se casou com Avidia Plautia, uma nobre romana bem relacionada na sociedade romana, sendo filha do senador Gaius Avidius Nigrinus.

Durante muito tempo, o imperador Adriano considerou Lucius Julius Ursus Servianus como seu sucessor não oficial. Quando o reinado de Adriano se aproximou do fim, no entanto, ele mudou de ideia. Embora o imperador certamente pensasse que Servianus seria capaz de governar como imperador após sua morte, Adriano foi obrigado a constatar que Servianus, aos noventa anos, seria obviamente muito velho para o cargo. (Interessante e acertado esse cuidado, pois Servianus faleceu aos 91 anos…)



As atenções de Adriano se voltaram para o neto de Servianus, Gnaeus Pedanius Fuscus Salinator II. Adriano promoveu o jovem Salinator como seu sobrinho, deu-lhe status especial em sua corte e o preparou como seu herdeiro. Servianus, que sempre apreciava a idéia de que seu jovem neto iria ter sucesso em seu cunhado, estava muito feliz.

No entanto, no final de 136, Adriano quase morreu de uma hemorragia. Convalescente em sua vila em Tivoli, ele decidiu mudar de ideia e escolheu Lucius Ceionius Commodus como seu novo sucessor, adotando-o como seu filho. A escolha foi feita invitis omnibus, “contra os desejos de todos”; em particular, Servianus e o jovem Salinator ficaram muito irritados com Adriano e desejaram desafiá-lo durante a adoção. Mesmo hoje, a justificativa para a mudança súbita de Adriano ainda não está clara.

É possível que Salinator tenha chegado a tentar um golpe contra Adriano, e que Servianus estivesse envolvido em seu estratagema. O fato é que, para evitar qualquer conflito potencial na sucessão, Adriano ordenou a morte de Salinator e Servianus.

Embora Aelius não tivesse experiência militar, ele havia servido como senador e tinha poderosas e influentes relações políticas em Roma; No entanto, ele estava com sua saúde debilitada. Como parte de sua adoção, é nesse momento que Lucius Ceionius Commodus adota o nome de Lucius Aelius César.

Depois de um ano de estadia na fronteira do Danúbio, Aelius voltou a Roma para fazer um discurso no Senado no primeiro dia de 138. Na noite anterior ao discurso, contudo, ficou doente e morreu de uma hemorragia que o fez sofrer até o dia seguinte.

Em 24 de janeiro de 138, Adriano selecionou Aurelius Antoninus (19 de setembro, 86 – 7 de março de 161) como seu novo sucessor.

Dupôndio de Antoninus Pius, cunhado em Roma (138-161 d.C)
Clique na peça para compra-la

Após alguns dias de consideração, Antoninus Pius aceitou. Ele foi adotado em 25 de fevereiro. Como parte dos termos de Adriano, Antoninos Pius adotou o filho de Aelius, Lucius Verus (devidamente chamado Lucius Ceionius Commodus o jovem), e o sobrinho de Adriano por casamento, Marcus Aurelius (26 de abril de 121 a 17 de março de 180).

A pedido de Adriano, a filha de Antoninus Pius, Faustina (a jovem), ficou noiva de Marcus Aurelius e desse matrimônio nasceu a futura esposa de Lucius Verus, Lucila, e o futuro imperador, Commodus.

Denarius de Lucius Verus, (161-169 d.C.). Peça negociada em Fevereiro de 2019 pela Conatus Coins

Marcus Aurelius mais tarde co-governou com Lucius Verus, ambos como imperadores romanos, até que Lucius Verus morreu em 169, após o que Aurelius foi o único governante até sua própria morte em 180. A peça a seguir comemora, em seu reverso, a relação de co-governança entre Marcus Aurelius e Lucius Verus.

Sestertius de Marcus Aurelius, cunhado em Roma (161-180d.C.) Clique na peça para compra-la

 

 

 

Para citar este texto:

CONATUS. Quem foi Aelius? Os sucessores do Imperador Adriano. Conatus Moedas Raras, Outubro 2019. Disponível em: <https://www.conatusmoedas.com/post/blogujte-ze-svého-zveřejněného-webu-a-z-mobilu>.

Este texto é um oferecimento da Conatus Coins:




André Luiz Padilha

Graduado em direito com especialidade em meios alternativos de soluções de conflito e atualmente é estudante de História. Colecionador de moedas desde 1997 e numismata desde 2011. É um ativo divulgador da numismática nacional publicando diversos artigos e estudos por dezenas de plataformas, presta serviços como avaliador e consultor em pelo menos 9 países, também é o fundador da Numismática Castro, do CNERJ e do canal Café e Numismática. É sócio da American Numismatic Association (ANA)

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.