Cart

Joseph Hilário Eckhel (13 de janeiro de 1737 – 16 de maio de 1798) foi um austríaco, jesuíta, padre e numismata. Echkel nasceu em Enzersfeld, na Baixa Áustria.

Seu pai era mordomo na fazenda do conde Zinzendorf, e ele recebeu sua educação no Colégio dos Jesuítas, em Viena, onde na idade de quatorze anos, ele foi internado. Dedicou-se as antiguidades e a numismática. Depois de ser contratado como professor de poesia e História, primeiro em Steyer e depois em Viena, foi nomeado em 1772 Chefe do gabinete de moedas no Colégio dos Jesuítas, e no mesmo ano ele foi para a Itália com o propósito de uma inspeção pessoal e estudo de antiguidades e moedas. Em Florença , ele foi contratado para organizar a coleção do grão-duque da Toscana, e os primeiros frutos do seu estudo desta e de outras coleções apareceu em seu Numi veteres anecdoti, publicado em 1775.



Como ele se tornou um numismata , o próprio Eckhel nos contou no prefácio de seus “Numi veterans anecdoti”. Ao ensinar no Ginásio Acadêmico, ele se interessou por seu gabinete de moedas, que estava sob a supervisão de seu colega jesuíta , P. Khell. A coleção, que contém principalmente moedas gregas , alcançou um tamanho considerável, através dos esforços do erudito Erasmus Fröhlich, que havia editado um catálogo da maioria das moedas antigas ; Eckhel começou a trabalhar selecionando as moedas que ainda eram desconhecidas e não editadas, E adicionou- lhe as moedas não editadas das coleções escolhidas do Conde Michael Viczay e Paul Festetics. Forçado pela falta de saúde para abandonar o ensino, ele dedicou-se inteiramente à numismática e arqueologia . Com a permissão de seu superior, ele foi para a Itália em 1772 para sua educação. Em Bolonha e Roma estudou todas as coleções de moedas acessíveis, mas encontrou seus tesouros mais ricos em Florença . Raimundo Cocchi , prefeito do Museu Archdual , O recebeu com toda a cordialidade e obteve para ele a comissão para providenciar as moedas recolhidas pelo cardeal Leopoldo de’Medici e que, depois, aumentaram consideravelmente. Cocchi, que morreu pouco depois disso, recomendou Eckhel ao arquiduque Peter Leopold, que por sua vez o apresentou a sua mãe, a imperatriz Maria Theresa . Enquanto isso (1773), a Sociedade de Jesus foi suprimida, e Eckhel, como seus irmãos, foi secularizado. Voltando a Viena pelo sul da França em janeiro de 1774, Ele estava encantado de ser confiado pela imperatriz com a tarefa de transferir a coleção que pertencia ao colégio universitário dos jesuítas, ao gabinete do tribunal, onde, no entanto, recebeu um lugar separado. Em março do mesmo ano, tendo adquirido uma excelente reputação como numismata, foi nomeado diretor do gabinete de moedas antigas , com Duval como seu superior. Após a morte do último (1775), ele recebeu o único encargo. Eckhel foi contratado para entregar palestras semanais sobre numismática no gabinete de moedas. No outono de 1775, ele foi promovido para a cadeira de antiguidades e das ciências auxiliares históricas na universidade. No mesmo ano apareceu sua primeira publicação numismática.

Reunião de cartas de Eckhel

Como pesquisador da área, Eckhel é considerado um dos pais fundadores da numismática como disciplina acadêmica, os arquivos do Gabinete de moedas do Kunsthistorisches Museum em Viena reuniu um grupo muito importante de 162 cartas acadêmicas não publicadas dirigidas a Eckhel por 38 numismáticos e classicistas de toda a Europa. Juntamente com as cartas de Eckhel aos seus correspondentes, esses documentos estão sendo estudados atualmente em um projeto de pesquisa, financiado pelo Austrian Science Fund de 2013 a 2015 e dirigido por Bernhard Woytek. Além de uma edição impressa, uma edição digital do corpus de letras está sendo preparada em estreita cooperação com o Centro Austríaco de Ciências Humanas Digitais

Seu trabalho principal é o Doctrina numorum Veterum, em 8 vols, o primeiro dos quais foi publicado em 1792, e o último em 1798. Essa obra é considerada revolucionaria na questão da pesquisa a moedas antigas e algumas partes são mantidas até hoje, mais de 200 anos depois de sua primeira publicação.




André Luiz Padilha

Graduado em direito com especialidade em meios alternativos de soluções de conflito e atualmente é estudante de História. Colecionador de moedas desde 1997 e numismata desde 2011. É um ativo divulgador da numismática nacional publicando diversos artigos e estudos por dezenas de plataformas, presta serviços como avaliador e consultor em pelo menos 9 países, também é o fundador da Numismática Castro, do CNERJ e do canal Café e Numismática. É sócio da American Numismatic Association (ANA)

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.