Já passou da hora de soarmos o alerta de falsificações!

Somente com o título deste artigo já é possível entender qual o propósito desta campanha e deste site, mas será que você consegue entender a real importância do que estamos fazendo aqui?

Não é recente o uso de falsificações na numismática nacional. Houve na História até mesmo ações do governo para recolher essas falsificações do mercado e trocá-las por moedas legitimas. Contudo, antigamente essas moedas eram fabricadas para enganar o erário e hoje são feitas exclusivamente para enganar a nós, os colecionadores. É claro, não estou aqui dizendo que uma atitude é menos danosa que a outra, não é isso. Acontece que as moedas que eram fabricadas antigamente somente eram feitas para valer o seu valor de face, porém hoje esses falsários vão muito além disso, pois buscam as moedas com maior procura pelos colecionadores para lucrarem boas somas de forma desonesta.

Há quem defenda um bom uso dessas falsificações, usando o termo “réplica”, que soa bem menos agressivo do que falsificação. Mas não é esse o caso, pois em réplicas existem marcações para deixar bem claro que são uma reprodução, inclusive temos até réplicas notáveis e valiosas, como as barras de ouro de Pedro Balsemão, que tem a devida indicação que é uma reprodução. Não existe nenhuma forma de bom uso para uma falsificação e comprar qualquer peça dessa só alimentará o mercado dessas peças, incentivando assim o seu crescimento. E outra, falsificação não completa coleção!

A cada valor investido, por menor que seja, os falsários melhoram seus equipamentos. Em um passado próximo bastava olhar superficialmente para moeda para identificar a fraude, hoje testes mais rigorosos são necessários, muitos exemplares já são produzidos com o mesmo peso e diâmetro que as originais.

Assim, quanto maior for a qualidade dessa falsificação, mais assustados ficamos. A cada dia que passa ouvimos mais histórias sobre a compra e venda dessas peças, pessoas enganadas denunciando enganadores. Não o bastante, agora existem anúncios dessas falsificações usando fotos de moedas originais para confundir mais ainda os colecionadores. Além dos mal intencionados, até mesmo pessoas que receberem coleções de herança poderão de forma inadvertida vender falsificações a preço de originais, causando prejuízo a colecionadores, especialmente se iniciante.

Por isso, resolvemos nos unir contra esse problema, abraçar essa causa e alertar a todos quando um novo golpe surgir no mercado, juntos protegeremos a numismática brasileira e baniremos essas falsificações do mercado numismático nacional.

Por seus idealizadores.
André Luiz Padilha, Dieles Magalhães, Ednilson Araújo e Rubens Bulad.

 

ÍNDICE GERAL DE MOEDAS FALSIFICADAS

Primeira República 1889 – 1930

g

Padrão Cruzeiro 1942 -1967

g