Antes de mais nada: Não é 5 Centavos 1989 e não é 5 Cruzeiros 1990. Estas duas últimas são vendidas a 20 reais O QUILO. Confundir estas moedas é o mesmo que não saber o quê se está colecionando. Embora os colecionadores tentem encontrá-la no meio das comuns, em “garimpagens”, nunca irão achar. As que estão no mercado são mistérios de nossa numismática.

Essa moeda é do padrão monetário CRUZADO NOVO. Nesse padrão são apenas DEZ moedas cunhadas, sendo uma delas em prata. Não é Cruzados, e não é Cruzeiros. Quando foi lançada, o novo Presidente da República, Fernando Collor, assumiu o poder e mudou o padrão monetário pra CRUZEIROS logo no primeiro dia de mandato! Por isso essa moeda nem chegou a circular, e é um mistério como algumas conseguiram escapar à fundição em alguma siderúrgica. Assistam ao vídeo:

Empossado numa quinta-feira, 15 de Março de 1990, Fernando Collor anunciou seu plano econômico no dia seguinte à posse, ou seja, logo no primeiro dia de governo: Anunciou o retorno do Cruzeiro como unidade monetária em substituição ao Cruzado Novo, vigente desde 15 de janeiro de 1989 quando houve o último choque econômico patrocinado por seu antecessor José Sarney.

O Cruzeiro voltaria a circular em 19 de março de 1990 em sua terceira (e última) incursão como moeda corrente nacional, à razão de NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00 (1 Cruzado Novo = 1 Cruzeiro, só mudou o nome da moeda novamente, pela terceira vez na história, pra Cruzeiros), até ser substituída pelo Cruzeiro Real em 1993. Logo, a cobiçada moeda 5 Centavos de Cruzados Novos 1990, fabricada em fevereiro, sequer teve tempo hábil pra se fazer circular.



Uma curiosidade: TODAS as moedas 5 CENTAVOS 1990 possuem um ponto na data entre o segundo 9 e o 0, ficando 199.0 na data.

Dito isto, é preciso afirmar: Sempre que alguém põe um exemplar dessa moeda à venda, a diversão é garantida: As pessoas dão a clara impressão de não saberem sequer o que colecionam. O analfabetismo funcional é gritante e fica muito evidente em muitos. Ninguém lê os catálogos! Só vêem preços! De fato, sempre que vemos esta moeda à venda com algum comerciante, aparecem várias pessoas questionando o elevado preço, e afirmando que possuem ou possuíam “kilos” da mesma em casa e afirmando ser uma moeda muito comum, na óbvia confusão com as extremamente comuns 5 Centavos 1989 e 5 Cruzeiros 1990. Há inclusive aqueles que a confundem com a 10 Cruzeiros 1991, que é muito diferente inclusive no diâmetro.

Nota importante: Não se trata de uma moeda “rara” como inseri na imagem. Claro que não considero esta moeda como sendo “rara”, e sim no máximo como escassa ou difícil. Raras são cunhagens abaixo de 100 exemplares. Coloquei “Rara” apenas pra exemplificar a diferença entre as comuns 5 Centavos 1989 e 5 Cruzeiros 1990.

A tiragem, já baixa, de 934.000 exemplares cunhados oficialmente, não chegou a ser inserida no mercado, sendo destruída antes da distribuição aos bancos. Nenhuma foi posta em circulação, pois fabricadas no final de Fevereiro de 1990, em Março mudou-se o Governo, mudou-se o sistema monetário de Cruzado Novo pra Cruzeiro, e a inflação “comeu” o valor, já baixo, dessa peça. Na prática, quando iam ser distribuídas, seriam necessárias centenas delas pra se comprar uma balinha ou pirulito no mercado. Resultado: Fundição em siderúrgica. Nenhum exemplar deveria ter escapado a este destino, mas… algumas estão por aí.

Logo, quantidade de emissão é uma coisa. Colocação em circulação é outra. O mesmo fenômeno ocorreu com a cédula da Baiana, onde a quantidade de emissão é alta, mas o que efetivamente circulou foi pouco e por isto é uma peça escassa e valorizada.

Não é uma moeda difícil de se encontrar nas Casas Numismáticas, com comerciantes independentes, etc, mas os preços são incrivelmente altos, variando entre R$ 150 e R$ 250. O que se observa, na realidade, é uma supervalorização diante de uma demanda que cai nas mãos de comerciantes que procuram exorbitantes lucros. Esse fenômeno é um câncer da numismática, que se espalha quando os comerciantes mais honestos passam a adotar os mesmos preços ao observar que podem potencializar seu lucro. Esse problema também é agravado pela escassez relativa, isto é, diante de uma cunhagem alta de outros anos, do mesmo valor facial e até mesmo de outras moedas, é difícil encontrar essa peça em grandes lotes. Esse fenômeno é o mesmo visto em peças como 1 Real 1998 Direitos Humanos, 1 Real 2012 Bandeira Olímpica, 1 Centavo 1990, dentre outras.

Mas… Se a moeda de 5 Centavos de Cruzados Novos foi retirada antes mesmo de se fazer circular, devido à inflação tê-la desvalorizado ao pó, porque o mesmo não foi feito com a moeda de 1 Centavo de Cruzado Novo, que valia cinco vezes menos?

1 Centavo de Cruzado Novo:
em 1989 são 208.100.000
em 1990 são apenas 1.000.000

Deveria pela lógica ser escassa como a 5 Centavos de Cruzados Novos 1990 e igualmente recolhida. Mas não é, e circulou. Foi criada em 1989 pra substituir a moeda de Cz$ 10 (Dez Cruzados) que passaram a corresponder a NCz$ 0,01 (Um Centavo de Cruzado Novo). É o chamado “Plano Verão”.
.
A resposta é: O CENTAVO como unidade monetária não foi abolido quando a moeda voltou a ser chamar CRUZEIROS, e isto está na LEI Nº 8.024, DE 12 DE ABRIL DE 1990, onde temos:

Art. 1º Passa a denominar-se cruzeiro a moeda nacional, configurando a unidade do sistema monetário brasileiro.
.
§ 1º Fica mantido o centavo para designar a centésima parte da nova moeda.

§ 2º O cruzeiro corresponde a um cruzado novo.

Portanto, o CENTAVO era obrigação legal, e por isso foi mantido e posto em circulação, mesmo sem nenhum poder de compra. Já a 5 Centavos, que estava em circulação, com data 1989, foi recolhida, e a já produzida mas não distrubuída 1990, sequer chegou a circular.

Explicação dada, deixem seus comentários!

NOTA DO EDITOR: O estudo em si foi escrito pelo nosso colega Rubens Bulad, mas queria aproveitar aqui para deixar uma nota dizendo que temos registros de falsificações ilegais sendo vendidas no mercado numismático, vendedores mal intencionados, é claro, comprando essas peças falsas do site “AlliExpress” e vendendo como se fosse originais, então fiquem sempre atentos aos detalhes apresentados aqui, principalmente o “199.0”.




Rubens Bulad

Graduado em História com mestrado em História da Arte pela UFG. Ex-Presidente do Clube Filatélico de Mato Grosso - CLUFIMAT, de Cuiabá-MT e Secretário-Geral do CECOF - Clube Filatélico-Esperantista de Correspondência e Colecionismo, de Goiânia-GO. Filatelista desde 1994, colecionando selos postais de todo o mundo, e Numismata desde 2012, colecionando moedas da Ucrânia. Historiador, Pesquisador e Tradutor, atualmente membro da American Numismatic Society (ANS).

6 comentários

LUIZ ANTONIO · 27 de novembro de 2018 às 22:35

Estarei em Fortaleza de 15 a 25 de dezembro de 2018 e pretendo compra algumas moedas e me faltam de coleção do Brasil.
Favor me indicar locais para tal.

    André Luiz Padilha · 28 de novembro de 2018 às 01:37

    Sociedade Numismática e Filatélica Cearense
    Reuniões:
    Domingos, a partir de 09:00 horas, na Cidade da Criança, em Fortaleza.
    Leilões no primeiro domingo de cada mês.

Vera Silva · 9 de junho de 2019 às 17:07

Gosto muito do artigo do seu site. Estarei acompanhando sempre.Grata!!!

katia · 12 de junho de 2019 às 17:37

O que eu estranho é que meu filho teve o bom habito da economia e guardava no cofrinho várias moedas (troco do comercio, do ônibus…) e com o tempo esqueceu do tal cofre, deixou de usar, quando recentemente abriu o cofre lá estavam moedas de 1989, 1991, 1990 e dentre elas o dito 5 centavos MAS sem o tal do ponto antes do zero. Tenho certeza que uma criança não iria forjar moedas visto que as recebia do pai, um trabalhador. Então, quem fazia tais replicas em 1990 para que o pai as recebesse e fosse parar no cofrinho da criança? Meu filho ou o pai dele? Ou seria a propria casa da moeda?!! rsrsrsrsrsrs

    André Luiz Padilha · 22 de junho de 2019 às 11:07

    Boa Tarde Katia,

    Cuidado para não confundir 5 cruzeiros com 5 centavos, é um erro bem comum, uma vez que as moedas são muito parecidas e possuem o mesmo ano, ainda assim, não se espante com falsificações, elas estão ai desde antes de Jesus Cristo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.